quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Débora juiza,esposa e profetiza. Parte 1





A vida de Débora é um exemplo de que a coragem independe de sexo e de força física, mas é uma disposição firme de servir a Deus, a despeito de todas as circunstâncias.

- Estarei falando da a vida de Débora, a única juíza de Israel e, sob uma interessante perspectiva, a da coragem. Normalmente associada à masculinidade, a coragem, no entanto, independe do sexo da pessoa mas é, antes de tudo, uma disposição firme de se servir a Deus.
- Débora, além de ser um exemplo de coragem, é uma demonstração de que a cultura não se confunde com os desígnios divinos e que devemos sempre discernir o que é cultural do que é divino.


I – O MOMENTO HISTÓRICO DOS DIAS DE DÉBORA


- Débora viveu no período dos juízes, período da história de Israel cuja duração é incerta e fomenta muitas discussões entre os estudiosos da Bíblia, que transcorreu entre a morte de Josué, após a conquista da Terra, e a escolha de Saul como rei. Levando-se em conta que a Bíblia afirma que o templo começou a ser construído 480 anos depois da saída dos filhos de Israel do Egito, no quarto ano do reinado de Salomão(I Rs.6:1). Assim, levando-se em conta que o êxodo durou 40 anos (Dt.2:7; At.7:36), que Josué morreu com 110 anos (Jz.2:8) e deve ter entrado na Terra Prometida com cerca de 80 anos (levando-se em conta o que diz Calebe em Js.14:10), o que demonstra ter Josué governado cerca de 30 anos na Terra Prometida, bem como que os reinados de Saul e de Davi duraram 40 anos (respectivamente At.13:21 e II Sm.5:4), temos que o período dos juízes tenha tido uma duração de aproximadamente 326 anos.

- O período dos juízes é um dos períodos de grande dificuldade espiritual para o povo de Israel. O autor do livro dos juízes(a tradição judaica atribui o livro a Samuel) narra toda esta dificuldade na passagem de Jz.2:7-23, que é uma espécie de resumo do conteúdo de todo o livro, que, aliás, não abarca todo o período dos juízes, vez que os governos dos dois últimos juízes, Eli e Samuel, é narrado no Primeiro Livro de Samuel, em seus sete primeiros capítulos.

- O primeiro problema deste período, afirmam-nos as Escrituras Sagradas, foi a falta de educação doutrinária do povo nos seus lares. Em Jz.2:7-10, é dito que, durante os dias de Josué e dos anciãos de sua geração, o povo de Israel serviu a Deus, mas, enquanto seguiam o exemplo daqueles homens que haviam conquistado a Terra Prometida, que haviam sido doutrinados por Moisés pouco antes da morte deste, conforme vemos nos discursos do livro de Deuteronômio, da geração que, após a conquista de boa parte da Terra, foi levada a reafirmar o pacto com Deus por iniciativa de Josué (Js.24), não se deu continuidade ao ensino da lei, como, aliás, havia sido determinado por Moisés (Dt.6:6-9).

- A falta de um ensino doutrinário nos lares dos israelitas, a ausência de uma educação bíblica dos pais aos filhos foi o primeiro fator que levou Israel a viver um período tão difícil como foi o período dos juízes, um período onde havia instabilidade espiritual, onde o povo permitiu que os costumes dos povos que habitavam a terra se introduzissem no meio do povo de Deus, um período em que a liberdade e o bem-estar foram exceção, verdadeiros oásis num deserto de sofrimentos, opressões e domínio estrangeiro.



Nenhum comentário: